segunda-feira, 26 de junho de 2017

Mural reflexivo: Apelo da esperança

Apelo da esperança
 
      Minha querida amiga:
      Hoje, estou escrevendo especialmente para você. Tenho acompanhado os seus últimos dias, e muito tem me preocupado a tristeza e a surda revolta que encontrei em seu olhar.
      Não me passaram desapercebidas as suas preocupações e medos e, apesar de ter-me colocado ao seu lado, abrindo os meus braços para confortá-la, você passou ao largo, sem abrir o seu coração ao meu.
      Por isso estou aqui, insistindo com você! Não desista!
      A notícia da gestação inesperada surpreendeu-a com violência e você olha ao seu redor sem encontrar um caminho seguro para seguir.
      Aquele que compartilhou com você as horas mornas dos prazeres fáceis, talvez não queira saber mais da sua companhia e menos ainda, do fruto do instante que já é passado.
      Sua família talvez não queira saber dos seus problemas e, como de outras vezes, apenas lhe virará as costas, dizendo que você plantou e agora faz a colheita.
      Mas, amiga querida, o que cresce em seu íntimo não é um problema. É seu filho!
      Uma alma cara ao seu coração, um amor que volta aos seus braços para lhe acompanhar os dias que ainda estão para serem vividos.
      Não aborte! Não mate a felicidade que bate às portas de sua alma, pedindo-lhe pouso seguro!
      Pela sua mente passam imagens de todos os prazeres que terá que abandonar em nome de uma condição indesejada: as festas, os encontros, a liberdade de ir e vir como queria e com quem queria...
      Pensa em seu corpo... Em vê-lo deformado, em perder a forma cobiçada, no desconforto, na dor, no parto.
      Pensa nas despesas...nos gastos...
      Mas eu sei!... Eu sei de você! Sei que traz tantas coisas guardadas dentro do coração, tantos sonhos que não compartilha com ninguém, tanta doçura que não expressa...
      Amiga, eu a conheço! Sei que tem fome de amor, desse amor profundo e sem jaça que procurou nos braços de tantos que não a compreenderam e que muitas vezes, desprezam o seu valor.
      Aquele que retorna pelo seu ventre também sabe, por isso, escolheu-a para chamá-la pelo mais sublime nome humano que já pousou nos lábios dos seres que habitam essa terra : Mãe!
      Reconheço que não terá dias fáceis, que alguns serão de noites sem estrelas.
      Prometo, contudo, estar ao seu lado e ao lado de seu filho, observando, alegre, seu ventre crescer, pleno de vida!
      E digo mais: não contará apenas com a minha presença, mas, com a presença de muitos que a amam e que velam pela sua paz e pela paz de seu filho!
      Não desista de ser feliz! Não aborte seu sonho! Não mate seu filho, para o seu próprio bem!
      Com todo o carinho de meu coração.
      Sua amiga e companheira eterna: A esperança.
       
       

     Redação do Momento Espírita

Conversando com Léon Denis - Abismos e Alturas


Arara da felicidade - Quando perdoa,...


Vozes interiores reflexões - Sou caridoso...


Reflexão


Conversando com Léon Denis - Dificuldades e alegrias


Arara da felicidade - Quando você se mexe...