sexta-feira, 5 de junho de 2015

Entrevista: Astrologia - Divaldo Pereira Franco

P: Como a Doutrina Espírita vê a Astrologia? Há fundamento na influência dos astros, no destino dos homens?

R: Nós respeitamos os estudos astrológicos, principalmente agora, na era do computador. No entanto Allan Kardec fez uma pergunta equivalente aos Espíritos e eles disseram que, à sua época, a Astrologia era uma superstição que ganhava cidadania. Nós sabemos que, dentro do nosso zimbório celestial e da conjunção dos astros, aqueles que nasceram sob esta ou aquela ação magnética por eles emanada podem sofrer determinadas influências na personalidade, no comportamento, mas não no destino... O nosso destino é estabelecido pelos nossos atos anteriores. E isto porque, alguém que nascesse fortuitamente dentro de uma conjunção astrológica benéfica, estaria ludibriando as Leis Divinas. Poderia ter sido um bandido, um delinqüente qualquer, na encarnação passada, e, por uma injunção casual, renasce agora dentro de um bom aspecto planetário e iria gozar, então, de uma felicidade que o justo não tem. Isto seria desequilíbrio da Grande Lei. No entanto, não nos arvoramos em combater nada, pois a nossa tarefa essencial é a de esclarecer e jamais agredir...

quinta-feira, 4 de junho de 2015

Alunos passam mal após charlie charlie e são levados para igreja - comentário


Comentário da Cláudia:

Esta é uma história que surgiu na internet, o Desafio Charlie Charlie. Ele funciona como funcionava o copo, há alguns anos atrás, e como a mesinha com lápis, cestinhas e pranchetas, enfim como um instrumento de comunicação com os espíritos. A pessoa cruza dois lápis, um sobre o outro e escreve sim em quadrantes diagonais opostos e não nos outros dois. O lápis de cima deverá mover-se para o sim ou o não.

Se comunicar com espíritos, almas ou fantasmas faz parte do imaginário humano, muitos vem a casa espírita com este objetivo, desvendar o mistério que tanto nos fascina e que infelizmente é tão normal como nossa vida aqui na Terra. Uma pergunta fica: Houve comunicação real? Houve possessão dos alunos?

É difícil julgar os fatos pelas notícias que sempre serão influenciadas por que escreve ou fala. Pode ter havido sim, há vídeos que aparentemente mostram o lápis respondendo à perguntas. Quem era? Pode ser qualquer espírito disposto a participar de tal brincadeira em ambiente frívolo, como os Espíritos responderam a Kardec: "Evoque um rochedo e ele responderá. Há sempre uma multidão de Espíritos prontos a falar sobre tudo".

Mas e quanto às ditas possessões? Se verificarmos na mídia como são divulgadas as manifestações de espíritos, veremos na sua grande maioria que acontecem em igrejas, onde a pessoa se debate, grunhi, fala rouco, xinga, pula, cai no chão inconsciente e então o pastor coloca a mão sobre a pessoa e a liberta em nome de Jesus. O que os vídeos mostraram nestas ocorrência foi uma cópia exata do que é visto na mídia. 

No cap 18 do O Livro dos Médiuns os espíritos afirmam que desenvolver a mediunidade  em crianças é incoveniente, pois seus organismos frágeis e delicados seriam abalados e sua imaginação muito superexcitada. E é possível ver como os acontecimentos excitam todas as crianças envolvidas. Infelizmente a mistificação e a valorização só vai aumentar a vontade de realizar o desafio, enquanto que o adequado conhecimento sobre o assunto provavelmente até evitaria estas realização por pura curiosidade. Mas faz parte da natureza humana experimentar e dos espíritas explicar e divulgar a doutrina. 

Frase rápida, reflexão nem tanto...