sábado, 15 de abril de 2017

Reflexão - Desenvolva o tema - A pérola

Oi, Galera! Beleza aí?
 
A Vanessa N fez o seguinte post em um grupo no facebook:
 
"Pérolas são produtos da dor; resultados da entrada de uma substância estranha ou indesejável no interior da ostra, como um parasita ou grão de areia. Na parte interna da concha é encontrada uma substância lustrosa chamada nácar. Quando um grão de areia a penetra, ás células do nácar começam a trabalhar e cobrem o grão de areia com camadas e mais camadas, para proteger o corpo indefeso da ostra. Como resultado, uma linda pérola vai se formando. Uma ostra que não foi ferida, de modo algum produz pérolas, pois a pérola é uma ferida cicatrizada.
O mesmo pode acontecer conosco. Se você já sentiu ferido pelas palavras rudes de alguém? Já foi acusado de ter dito coisas que não disse? Suas ideias já foram rejeitadas ou mal interpretadas? Você já sofreu o duro golpe do preconceito? Já recebeu o troco da indiferença?
Então, produza uma pérola ! Cubra suas mágoas com várias camadas de AMOR.
Infelizmente, são poucas as pessoas que se interessam por esse tipo de movimento. A maioria aprende apenas a cultivar ressentimentos, mágoas, deixando as feridas abertas e alimentando-as com vários tipos de sentimentos pequenos e, portanto, não permitindo que cicatrizem.
Assim, na prática, o que vemos são muitas "Ostras Vazias", não porque não tenham sido feridas, mas porque não souberam perdoar, compreender e transformar a dor em amor. Um sorriso, um olhar, um gesto, na maioria das vezes, vale mais do que mil palavras!"
 
Vamos desenvolver o tema à luz da Doutrina Espírita?
 
Beijos e abraços
 

Trocando ideia... Qual sua opinião? Desenvolva o tema...


POR QUE SOU ESPÍRITA - Isabel Saloomão de Campos


Minha Nada Mole Encarnação - A Tua Fé Te Cura


Reflexão: Uma lição para a vida


sexta-feira, 14 de abril de 2017

Mural reflexivo: Pastor Divino


Pastor Divino

 

      Um dos mais famosos salmos, declamado e cantado pelo mundo, por religiosos ou não, cremos deva ser o de número vinte e três, cuja autoria é atribuída a David.

      David nasceu pastor e foi ungido rei pelo profeta Samuel, após uma revelação em sonho que, segundo ele, lhe teria sido dada pelo próprio Yaweh, o Espírito protetor da nação israelita.

      Jovem, David guardava o rebanho de seu pai. Acostumado, portanto, como ele mesmo narra, a defender-se e às ovelhas das garras de leões e ursos.

      Também a contemplar, durante horas, a paisagem que se estendia, entre vales e montanhas, o céu azul. Era um artista. Célebre é seu desempenho com que deliciava o rei hebreu Saul com sua harpa.

      Revelou-se igualmente exímio poeta e cantor, considerando que os salmos eram hinos sagrados por meio dos quais o povo de Israel costumava louvar o Altíssimo, implorar a Sua misericórdia, recordar e agradecer as bênçãos recebidas.

      Os hebreus denominavam esses cantos de hinos, cantados ao som de um instrumento. E David assim cantou:

      O Senhor é o meu pastor. Nada me faltará.

      Deitar-me faz em verdes pastos. Guia-me mansamente a águas tranquilas.

      Refrigera a minha alma. Guia-me pelas veredas da justiça, por amor do Seu nome.

      Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque Tu estás comigo. A Tua vara e o Teu cajado me consolam.

      Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos, unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda.

      Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida. E habitarei na casa do Senhor por longos dias.

      David captou muito bem o papel que teria o Espírito Excelso que viria ter conosco, séculos após.

      Jesus veio para o seio dos homens, a fim de com eles conviver e lhes ensinar o exercício do amor.

      O amor veio para os amados. Chamou de amigos os Apóstolos, exaltando as qualidades do amigo que dá a sua pela vida do seu amigo.

      Mas, Seu canto mais doce foi captado pelo Apóstolo João, que assim o traduziu em seu Evangelho: Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a própria vida pelas suas ovelhas.

      O mercenário, porém, e o que não é pastor e a quem não pertencem as ovelhas, vê chegar o lobo e foge.

      Mas, eu sou o bom pastor. Conheço as minhas ovelhas e minhas ovelhas me conhecem, assim como meu pai me conhece e como eu conheço meu pai.

      Dou a minha vida pelas minhas ovelhas. Tenho ainda outras ovelhas que não são deste aprisco. É necessário que as conduza também.

      E escutarão a minha voz, e haverá um só aprisco e um só pastor.

      *   *   *

      Jesus é o Divino Pastor. Todos os que nos encontramos neste planeta, estamos sob Seus cuidados.

      Não importa se cremos ou não. Ele é quem por nós vela. Ele derrama por sobre o mundo o Seu amor.

      E, embora possamos, em rápida observação, imaginar que o caos e a confusão reinam na Terra, Ele a tudo preside, atento.

      Não esqueçamos disso: o Pastor está no leme.

        

Redação do Momento Espírita, com versos do Salmo 23, do livro bíblico Salmos e do Evangelho de João, cap. 10, versículos 11 a 16

SEXTA FEIRA DA PAIXÃO CONTEMPORÂNEA

SEXTA FEIRA DA PAIXÃO CONTEMPORÂNEA




Na minha infância, sexta-feira da paixão era dia de assistir filmes antigos da paixão de Cristo na televisão. Um dos primeiros que me recordo era tão atávico que não mostrava em momento algum o rosto do artista que personalizava Jesus.
Ontem foi uma paixão diferente. Chegamos com uma hora de antecedência no cinema de Ipatinga para assistir a um filme. Fomos os primeiros, de entrada já comprada, mas a fila se estendia até perder de vista, contornando a área exterior do shopping.
Filme diferente. A sessão anterior acabou e saiu apenas um casal. As pessoas não saíam e alguém puxou uma salva de palmas. O horário da exibição já havia chegado e não começávamos a entrar porque a funcionária ainda limpava a sala.
Entramos, finalmente, e as pessoas tinham um comportamento estranho. Apesar da impaciência contida decorrente do atraso e da incômoda fila, a maioria delas era cortês, qualidades que se nota com atos de gentileza gratuita, como buscar um apoio de assento para alguém mal acomodado, cumprimentar, pedir licença, agradecer... Aos poucos a impaciência cedeu lugar à tranquilidade e curiosidade.
Jesus cedeu lugar a um mineirinho sofrido, igualmente gentil e paciente, que também sofreu, mas também viveu pelas pessoas. Ele também colocou prostitutas para pensar em Deus. Acolheu os aflitos, os doentes, os desconsolados. Ele abriu mão de sua vida pessoal em função de uma missão com a qual se comprometeu. Ele conversou com demônios e com anjos. Sofreu bastante.
Apesar deste lado angelical, era humano, demasiado humano. Sentiu medo da morte e depois transformou-o no riso. Comprou e usou uma peruca "de gosto duvidoso". Sofreu a incompreensão do pai, de familiares, da população onde vivia, do clero. Chorou a morte de pessoas queridas. Trabalhou com pessoas que não entendiam direito o que fazia e dizia, o que lhe exigia uma cota extra de paciência e disciplina. Apegou-se a animais de rua.
Não foi crucificado na morte, mas pode-se dizer que diluiu o sofrimento de Jesus ao longo de sua vida, extensa, caridosa e produtiva.
Eu pude ver sua face criança, sua face jovem e sua face idosa, fiquei face- a- face com o homem que escolheu seguir Jesus radicalmente, e não consegui não ver Jesus em suas ações e reações.
Gostei deste filme da história de Jesus. É uma história recontada, mas não é maliciosa como "A Última Tentação de Cristo", nem tão sensorial como "Jesus de Nazaré" de Zefirelli, nem tão sanguinolenta como "A Paixão de Cristo" de Mel Gibson.
Eu senti Jesus nas ruas do estado em que fui criado, na linguagem matuta, nas emoções e ações violentas dos personagens do entorno, senti o sofrimento que vejo todos os dias nas ruas mas não enxergo, acostumado que estou a ser cego, e vi que é possível ser vidente em uma terra de cegos.

Autor: Jáder Sampaio

Blog: Espiritismo Comentado


** referência ao  filme do Chico Xavier

Reflexões Sobre a Paixão

Reflexões Sobre a Paixão

Cláudio Fajardo

Nestes dias atuais em que o cristianismo organizado comemora a semana santa, e mais especificamente a sexta feira da paixão, faz-se necessário à luz da nova interpretação que o espiritismo propõe do Evangelho fazermos algumas reflexões sobre o significado desta data.

Desde sempre aprendemos que estes eram dias de grande tristeza, pois lembrávamos do sacrifício de Nosso Senhor em favor de toda humanidade. Era comum particularmente na sexta feira não podermos praticamente nada fazer. Não podíamos escutar música, trabalhar, divertir, nem mesmo viajar.

Lembro-me que em certa ocasião uma família amiga foi fazer uma viagem neste dia, e na viagem ocorreu um acidente com vítimas. Não foram poucos os que comentaram ter havido um castigo dos céus, “veja se isto é data para viajar a passeio?” eram os comentários naturais.

Hoje não compreendo o porquê de tal comportamento. Mesmo dentro da ótica do cristianismo oficial não dá para compreender.

Se Jesus veio ao mundo para nos salvar, e a crucificação foi o ponto sublime desta salvação, como dizem, e que com este ato ele libertou toda humanidade do pecado, então, por que tristeza nestas comemorações? Não seria um ato digno de alegria de nossa parte? Foi com a morte que ele salvou segundo dizem, e não com a ressurreição. A ressurreição é apenas a confirmação desta realidade.

Porém, façamos uma nova interpretação.

Mesmo nos meios espíritas a paixão é tida como uma vitória das trevas sobre a luz, porém se analisarmos melhor vamos perceber que é justamente o oposto.
A treva foi iludida como sempre, e onde viu uma vitória sofreu uma enorme derrota.

É que os adversários do Bem têm no interesse pessoal, na vaidade, no orgulho, entre outros, instrumentos de escravidão dos Espíritos invigilantes.
Jesus veio até nós com o objetivo de educar-nos para a vida verdadeira, não foi por outro motivo que o título de Mestre ele aceitou.

Para mostrar-nos que o exemplo é o melhor instrumento de didática, veio ele mesmo para o testemunho, poderia mandar outros entre aqueles que também estivessem bem adiantados em evolução, todavia veio ele mesmo para ratificar o que dissemos sobre a importância do exemplo, do testemunho pessoal.

Como tratava de uma missão sublime, de um trabalho a ser elaborado pelo homem espiritual em detrimento do homem biológico este não a compreendeu, e não compreenderá enquanto não mudar o paradigma de sua compreensão.

Assim fez-se comum chorar pelo Cristo, quando ele mesmo alertou-nos:
…não choreis por mim; chorai antes por vós mesmas, e por vossos filhos.[1]

Talvez o nosso choro seja o da consciência culpada, não pelo ato de há dois mil anos, mas por continuar crucificando-o nestes dois milênios posteriores mesmo após nos considerarmos cristãos.

A lição da paixão é uma só, a da necessidade do testemunho pessoal, Ele mesmo já havia antecipado:

Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me.[2]

O que deve ser crucificado em nossa “sexta feira da paixão” é o homem velho, o interesse pessoal, nossos valores que só dizem respeito ao homem biológico.

E tendo a consciência que hoje temos após o Advento do Espírito de Verdade, não será este dia um motivo de grande alegria, não será isto o que devemos celebrar?

Faz-se neste ponto necessário aprofundarmos um pouco mais a análise.

É muito bonito e cheio de espiritualidade falarmos em sacrifício dos interesses pessoais, em alijar de nossa onda mental os resquícios do homem velho, todavia, raríssimos entre nós têm realmente atitudes de assim fazer.

Isto se dá porque não há outra forma de realizarmos tal empreitada senão através do testemunho vivo e pessoal conforme já dissemos, e isto é duro e difícil de fazer, pois significa entre outras dificuldades, momentos de muita solidão pela incompreensão de todos, principalmente daqueles que mais amamos.

Outras vezes até empreendemos esforços, mas tudo envolto em muito sofrimento e até achando que somos heróis incompreendidos e vítimas de um processo indescritível.

Parafraseando Jesus podemos dizer, quando assim se der, ainda não é o fim[3]. Pois o nosso tem de ser um testemunho de alegria, este deve ser o sentimento da paixão, será esta senha de validação do término do processo.
Perguntado certa vez sobre qual seria o novo nome de Jesus se ele em carne voltasse a nós, nosso querido e sábio Chico Xavier deu uma simples resposta:

“- Alegria, se Jesus renascesse entre nós seu nome seria Alegria.”

Claudio Fajardo de Castro
[1] Lucas, 23: 28
[2] Mateus, 16: 24
[3] Mateus, 24: 6

Claudio Fajardo de Castro (Juiz de Fora/MG) é bancário, escritor desde 1997, dedica-se ao estudo do Novo Testamento à luz da Doutrina. Coordenou curso de Espiritismo no Centro Espírita Amor e Caridade em Goiânia – GO, denominado de Curso de Espiritismo e Evangelho. A partir daí surgiram seus livros: O Sermão do Monte, Jesus Terapeuta I e II, O Sermão Profético e O Sermão do Cenáculo, todos publicados pela Editora Itapuã.


Fonte: Rede Amigo Espírita